Da democracia

Literatura, Sociedade

Só me interesso por soluções que possam ser aplicadas por todos os membros de uma comunidade. Só me interesso pelo que chamo de felicidades democráticas: aquelas aquisições que não são excludentes. Não me interesso muito pela riqueza, pela beleza e pela ambição que conduzem a resultados extraordinários. Sei que elas podem fazer bem à vaidade de seus portadores, mas sei também que condenam à infelicidade a grande maioria das pessoas que jamais poderá tê-las. Não valorizo nem respeito sistemas sociais e políticos que pregam e estimulam a busca dessas qualidades raras. Não me encantam a renúncia exagerada, a erudição extraordinária, assim como a magreza ou a riqueza. Sei apreciar todas essas propriedades, mas não posso deixar de imaginar a dor que elas provocam no resto das pessoas de uma comunidade em que nem todos são competentes para exercê-las de forma assim radical.

Flávio Gikovate, trecho do prefácio de Dá pra ser feliz… apesar do medo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s