Imunidade

Literatura

– E ele anda sempre assim, em todos os lugares?

– Sempre.

– Mas como é que pode? – indagou ele descruzando as pernas e virando para encará-la.

Incrível o efeito que o “ele” em questão fazia em seus olhos.

– Você não sabe de nada, não é? – não, ele não sabia de nada perto dela.

– Sei sim.

– Ele é muito maior do que você está vendo. Só fica assim pequenininho porque está muito longe.

Na mesma hora ele junta o polegar e o indicador, fechando apenas um dos olhos. Ele cabia direitinho entre os dois. Como podia ser assim tão grande como ela dizia?

Para continuar lendo o texto, aqui.

Clarice Freire, em “Imunidade”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s