Hamlet Machine

Teatro

“Eu sou Ofélia, aquela que o rio não conservou. A mulher na forca, a mulher com as veias abertas, a mulher com overdose, sobre os lábios de neve. A mulher com a cabeça no fogão a gás. Ontem, eu deixei de me matar. Estou só, com meus seios, minhas coxas, meu ventre. Destruo os instrumentos do meu cativeiro: a cadeira, a mesa, a cama. Destruo o campo de batalha que foi o meu lar. Escancaro as portas para que o vento possa entrar e o grito do mundo. Despedaço janela. Com as mãos sangrando, rasgo as fotografias dos homens que amei e se serviram de mim sobre a cama, a mesa, a cadeira, sobre o chão. Toco fogo na minha prisão, atiro minhas roupas ao fogo. E boto fogo no meu peito, o relógio que era meu coração. Vou para a rua.”

Trecho de Hamlet Machine, de Heiner Müller.

Fonte: site do filme Elena.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s