Quem estenderá a mão para você se levantar?

Escritos

Há muitos anos, li em um fanzine a seguinte frase: “A minha boca muda grita na sua orelha surda”. Nunca mais a esqueci. Tanto tempo depois, a frase continua latente. A necessidade de questionar – ou seria desqualificar? – as vivências das outras pessoas parece se impor ao dever de ouvir. Sim, ouvir é um dever. Mas, não, é preciso soltar ao mundo a própria opinião sobre as histórias alheias, como se isso fosse mais importante do que qualquer opressão e violência sofrida pelos outros. Machismo, racismo, homofobia, preconceito de classe, nada disso existe para muitas pessoas. Opressão? Não, chorume de vítima. Porque a porrada que dói nos outros continua sangrando longe dessa gente.

Se não quer ouvir por empatia, ouça por egoísmo. Porque um dia pode ser você quem vai sangrar, e ninguém vai te ouvir. Daí então, quem estenderá a mão para você se levantar?

Texto meu publicado no Facebook há seis anos, em 30 novembro de 2015.

24 conselhos

Escritos, Internet

No Facebook, às vezes acontecem uns desafios muito bacanas, iguais a este. Gostei tanto que trouxe para cá.

Pedi ao Júlio para participar da brincadeira e ele pediu para eu fazer uma lista das 24 coisas que eu diria à Cássia de 24 anos. Como é uma lista longa, eu tentei ser sucinta. Quem quiser participar também, fale nos comentários e eu darei uma idade para você. Hoje eu tenho 37 anos e, se eu pudesse, diria:

  1. Você está vivendo um dos períodos mais legais da sua vida. Aproveite, porque tem dia e hora para acabar.
  2. Não seja tão passional, jogue um punhado de racionalidade nesse mar de sentimentos. A vida não é uma novela mexicana.
  3. Se um homem não te ama, esperar por ele não fará esse amor nascer.
  4. Você mudará de profissão mais de uma vez e fará mil outras coisas. Está perdendo o seu sono à toa.
  5. Além do teatro, você passará por outras artes, mas só ele vai te acolher como pessoa e te respeitar como artista. Valorize isso, você sentirá falta mais tarde.
  6. Esse seu grande amor pelas palavras será recompensado, sua dedicação não será em vão.
  7. Os textos que você começou a publicar em um blog se tornarão um livro daqui uns bons anos. Escreva muito mais, facilitará o meu trabalho.
  8. Quando a grande tempestade chegar, duas pessoas não soltarão a sua mão: o seu pai e a sua mãe. Eles merecem o seu amor e o seu cuidado eternos. Comece a retribuição desde já.
  9. Pense antes de falar para que a sua língua solta não machuque as pessoas sem a menor piedade.
  10. Seja mais gentil e amorosa. Você será assim mais tarde, mas não custa começar agora.
  11. Você vai aprender os diversos significados da palavra dor. Não se desespere, porque vai passar.
  12. Ouça as histórias da sua família porque elas também são a sua história.
  13. Aceite o amor que lhe dão, não exija o amor que não querem lhe dar. Leve isso pra vida.
  14. Para saber se um homem vai te respeitar, descubra como ele trata a própria mãe e as demais mulheres da família. Isso te poupará de muitas coisas.
  15. Você é mais bonita do que imagina, independentemente do que qualquer pessoa pense a esse respeito.
  16. “Conseguir algo na vida” não significa “O que o dinheiro pode comprar”. Vão te dizer o contrário, mas não acredite.
  17. Para poucas coisas na vida existe uma idade-limite. Salvo as limitações físicas do tempo, você pode fazer o que quiser, quando você quiser.
  18. Você tentará silenciar o seu coração e os seus olhos se fecharão para os problemas do mundo por um punhado de anos. Não faça isso, você vai se arrepender.
  19. Você continuará deixando de viver-ter-conseguir muitas coisas graças a sua conduta ética. Por maiores que sejam as suas dúvidas, valerá a pena.
  20. O amor não é o que você pensa. O sofrimento e as lágrimas são lindos na literatura, não na vida.
  21. Aprenda a reconhecer as pessoas que amam você, são elas que farão diferença nos seus dias.
  22. Aceite o que a vida lhe der, seja dor ou dádiva. Se veio para você, é seu.
  23. Não compre todas as brigas, só as que valem a pena. Como reconhecê-las? Se for para o bem da sua vaidade, desista. Se for para o bem de alguém, entre no ringue sem medo.
  24. Você sentirá um grande orgulho da mulher que você se tornou. Nada nem ninguém tirará isso de você.

Mais um dia

Escritos, Literatura

Abriu-se nela um mar de alegria: um dia entre tantos outros, especial como poucos, que surge de quatro em quatro anos. Quando acordou e olhou para o mundo pela fresta da janela, sentiu que era possível ter o que quisesse.

Findou o dia
e foi como um outro qualquer.

“Mais um dia”, texto do meu livro Primeira frase de um livro não escrito.
Para comprar, aqui.

O dever de ouvir

Escritos

Há muitos anos, li em um fanzine a seguinte frase: “A minha boca muda grita na sua orelha surda”. Nunca mais a esqueci. Tanto tempo depois, a frase continua latente. A necessidade de questionar – ou seria desqualificar? – as vivências das outras pessoas parece se impor ao dever de ouvir. Sim, ouvir é um dever. Mas, não, é preciso soltar ao mundo a própria opinião sobre as histórias alheias, como se isso fosse mais importante do que qualquer opressão e violência sofrida pelos outros. Machismo, racismo, homofobia, preconceito de classe, nada disso existe para muitas pessoas. Opressão? Não, chorume de vítima. Porque a porrada que dói nos outros continua sangrando longe dessa gente.

Se não quer ouvir por empatia, ouça por egoísmo. Porque um dia pode ser você quem vai sangrar, e ninguém vai te ouvir. Daí então, quem estenderá a mão para você se levantar?

O meu novo livro: “Virgínia”

Escritos, Literatura

“Eu morava em uma casa que chorava.”

Quatro mulheres de uma mesma família viveram juntas por muitos anos até o momento em que a mais nova, Virgínia, se viu sozinha na vida. O que teria acontecido? Por que todas seguiram o seu caminho e ela ficou? O livro “Virgínia” conta a história de uma mulher cujo destino é um encontro entre a tristeza e a beleza.

* * *

Essa é a sinopse do meu novo livro, o primeiro escrito “do zero”. Espero sinceramente que vocês gostem.

Para comprar:
Amazon Brasil, aqui.
Amazon EUA, aqui.

Quem estiver em outros países ou tem cadastro em outras Amazon, não tem problema, ele está sendo vendido em todas elas.

Não tem um Kindle? Tudo bem, basta baixar o aplicativo no seu computador, tablet ou celular e comprar o livro.

Vamos conhecer a Virgínia?