The Handmaid’s Tale (1)

Literatura, Televisão

“Agora eu estou acordada para o mundo. Eu estava dormindo antes. Foi assim que deixamos acontecer. Quando aniquilaram o Congresso, não acordamos. Quando culparam terroristas e suspenderam a Constituição, também não acordamos. Disseram que seria temporário. Nada muda instantaneamente. Você seria fervido numa banheira de aquecimento gradual antes que percebesse.”

Episódio 3, primeira temporada de “The Handmaid’s Tale”.

Anúncios

Instruções para salvar o mundo

Literatura

“A humanidade se divide entre os que se acalmam ao ir para a cama à noite e os que ficam aflitos na hora de dormir.”

*

“Tudo o que aprendemos em nossas breves vidas não passa de uma pitada insignificante arrancada da enormidade do que nunca saberemos.”

*

Todos carregamos no íntimo uma sombra de atrocidade e um anseio de beleza, e algumas pessoas caminham pela beira do despenhadeiro sem saber de que lado acabarão caindo.”

*

Pequenos atos de bondade contra a escuridão, como velas acesas numa noite de vento.”

*

É que a humanidade se divide entre os que sabem amar e os que não sabem.”

Rosa Montero, trechos do livro “Instruções para salvar o mundo”.

Semiótica da magia

Literatura

“A palavra inglesa spell ainda hoje significa tanto ‘soletrar’ quanto ‘fórmula de encantamento’. A velha palavra germânica runa não designava somente as letras do alfabeto rúnico, mas também ‘feitiço’ ou ‘encantamento mágico’. O domínio das letras foi aparentemente associado ao domínio da magia. A palavra inglesa glamour, que significava antigamente ‘bruxaria’ e ‘palavra mágica’, era uma corrupção popular da palavra grammar (gramática): para o povo, o conhecimento da gramática era evidentemente um saber mágico.”

Winfried Nöth, em “Semiótica da magia”, Revista USP, n.31.
Para baixar o artigo completo, aqui.

Sotaques

Internet, Literatura

A Porto Editora produziu o belíssimo “Sotaques”: falantes de língua portuguesa de diversos países lendo um texto de Valter Hugo Mãe, “O Paraíso são os outros”. O vídeo será cedido gratuitamente ao Museu da Língua Portuguesa, que atualmente está em processo de reconstrução.

Quem ama a literatura, a palavra, a língua portuguesa e os sotaques se desmanchará de amor. Confesso, eu chorei.

“Sotaques”, Miguel Gonçalves Mendes e Porto Editora.

10 coisas que aprendi sobre perdoar

Literatura
  1. Perdoe cada pedaço de si mesma. Cada pedaço. Mesmo as partes de você que foram abandonadas por garotos insaciáveis.

2. Quando você não consegue dormir e seu corpo está implorando para que você se acalme, lembre de como sua mãe lutou por você. Lembre de suas lágrimas, lembre do seu peito rígido e de cada golpe que ela levou da língua ferina do seu pai.

3. Beije suas próprias mãos. Não fique zangada consigo mesma por causa de homens que nunca poderiam ser gentis com seus próprios dedos.

4. Quando alguém disser que você é emotiva, agradeça. Agradeça por reconhecerem a parte de você que reconhece Deus.

5. Beba água, seu corpo sempre vai aceitar esse pedido de desculpas.

6. Você nunca vai (totalmente) esquecer.

7. A cura é divina. Aceite isso graciosamente.

8. Perdoe-se por ser fraca por baixo do peso dele, ele é um homem que carrega uma bagagem de 4 gerações.

9. A manhã traz um novo dia, novas oportunidades para serem perdoadas.

10. Cultivar amargura dentro de você só fará com que você se transforme em um campo de tristeza.

Key Ballah, “10 coisas que aprendi sobre perdoar”.
Tradução de Taís Bravo

Outros poemas, aqui.